19 de jan de 2012

Para Carmen

Ela se chama Carmen. Quarenta e quatro anos. Culta e branca. Olhos grandes que nem de coruja. Santa-cruzense, leitora.

E numa tarde ensolarada de poucas nuvens, no mês de janeiro na pequena sala do trabalho, contou rapidamente para as colegas, momentos de sua infância.

O brilho nos olhos de Carmen ao relembrar os primeiros anos de idade era nítido. Com a mão na orelha, contou que aos seis anos era escolhida para acompanhar as senhoras de idade aos passeios para o cemitério e os jogos no bingo.

- Por que isso Carmen?

- Eu era responsável por aquelas senhora. Eu cuidava daquelas senhoras. Se alguma delas passasse mal, como eu era novinha, eu poderia correr mais rápido e chamar pelo socorro.

As colegas de trabalho riram. Carmen acrescentou. Lembro com saudade, como se fosse ontem. Aqueles jardins grandes e bonitos. E os tinha só pra mim. Para eu correr, rolar, brincar. Sozinha. É. Eu era a única criança.

Recordo a recompensa em cuidar daquelas senhoras, era. Humm.. o suco de framboesa e sanduiches enormes preparados somente para mim. Eu me considerava importante. Pequena mas imensa nos sonhos.

Angélica Weise

10 de jan de 2012

Da série escritos

Porta retrato


Abre-se a porta
Dobra-se a direta
Reto, a porta do quarto já aberta
E já se vê
Em meio a duas estantes de livros
Entre autores, escritores
Ele fica ainda mais bonito
Lá está ele com ela
A sintonia do quarto se completa
Com outras peças
Ele é o único daquele quarto
Ninguém tem outro espaço ali
O que ele vê, presencia, é um mundo
De sonhos, magias
Insônia, angústia
Ele pode se achar
É grande, bem moldurado e belo
O que contempla a moldura são dois personagens
Ali no mesmo instante juntos
Compartilhando um momento único
Eternizado na foto
E agora no porta retrato.

Autora: Angélica Weise – 02/01/2012
Escrito no verão em Agudo.

7 de jan de 2012

Lembrança

De lembrança eu vivo.
De saudade ainda permaneço.

Angélica Weise

Abaixo o link para ver de uma cidade gloriosa que conheci. Assisi em Itália. A cidade de São Francisco.
http://www.youtube.com/watch?v=meSuNnYbBV4&feature=related

6 de jan de 2012

Citações

Alegro-me em saber que o tempo se vai..
como o fluxo do água que corre no rio.
Angélica Weise

Ao citar o tempo, refiro-me ao Marcel Proust, que escreveu a célebre obra "Em busca do tempo perdido".
Abaixo algumas citações de Proust para esta sexta-feira de sol e muito calor.

'O amor é o espaço e o tempo medidos pelo coração'.
'O amor é uma doença inevitável, dolorosa e fortuita'.
'A felicidade no amor não é um estado normal'.

5 de jan de 2012

O ano da formatura

Este ano de 2012, será o ano da minha formatura em Jornalismo.
Chego neste meu último semestre como acadêmica desta maravilhosa profissão, para afirmar: poderia ter feito mais. Muito mais.
Acredito que a maioria dos estudantes chegam a esta conclusão quando estão prestes a se formar, a pegar o 'canudinho'.
Arrependimento? Não.
Claro, poderia ter estagiado mais. Ter 'matado' menos aulas. Participado de mais congressos e eventos na área. Poderia-me ter integrado melhor a turma, ou, ter feito um grupo. E eu não o fiz.
Por muitos posso ser vista como mais uma que se forma em jornalismo. Para mim não. Tenho meus projetos as minhas ambições na área.
O 10 que não obtive em demais disciplinas, eu obtive com muita dedicação e sacrifício no 10 da monografia. E isso é muito bom.
Os anos que estudei aqui na UNISC, foram ótimos. De grandes descobertas. O curso sim, possibilitou que eu conhecesse vários lugares, e inclusive pessoas. Mas eu me fiz, eu me construí, eu me permiti. E não me arrependo de nada.
Agora, é só o começo.