15 de fev de 2010

A procura da Dalvo...


No meio de tanta gente...

Em um trem..

No lado de uma senhora. Senhora está que observava o mundo com seus óculos.

Olhava eu esta senhora, e de tanto olhar, um moço me chamou a atenção.

Sem camisa, cabelos escuros, pele cor de cuia, olhar atento.

Gostei deste moço, gostei da perfeição em beleza desenhada neste mulato.

Eis que o trem parou e todos desceram em direção a um show, “Mutantes”.

Lá eu estava, acompanhada de minha amiga Inara. E quando ao olhar para o lado lá

Estava o mulato. Passou por mim e me deu Ola e até um merecido abraço.

Mas ele se foi. Então..

Voltei o meu caminho. Outro dia, com amigos feitos na hora, em direção a uma escola, eu

Pressentia, o mulato poderia estar lá, eis que ..ele estava. E mais um olá, até piscada de olho.

Fui embora admirando aquela beleza. E me fui.

Outro dia em Porto Alegre estava eu pensando no mulato, e como eu pensava.

Fui em direção ao banheiro.Tive que descer o elevador, desce de elevador sozinha, quando a porta se abri, quem estava

A espera do elevador? Ele mesmo, o mulato encantador..Uma enorme surpresa..e que surpresa..

Nos abraçamos forte, como eu jamais abraçara alguém, é claro, se identificamos, o nome do mulato?

Dalvo. A história poderia terminado de outra maneira, mas terminou com uma apresentação...

É claro, jamais esquecerei daquele olhar, daquela pele, daquela boca desenhada, e dos maravilhosos cabelos.

Inesquecivel. O abraço e o olhar valeu mais que beijos, valeu imaginação e muita conhecidencia.

Um comentário:

Aline disse...

Se buscas Dalvo realmente, o encontrarás! O destino é um quebra cabeça não tão simples de montar. Mas lembre-se não ser impossível...

Beijos